Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

No que pensamos quando temos um "bicho" de tamanho monumental

  

A minha querida Samira, já vos tinha falado dela, sendo a estrela cá da casa, não é, por isso, menos palerma do que aparenta ser, como podem ver pela foto. Digamos que, às vezes, me apanho a olhar para a criatura e a pensar como será possível que alguém possa existir quase totalmente à margem de regras e ainda assim viver à grande e a francesa, com todo o luxo e necessidades (básicas e não só) supridas. Ela dorme, come, dorme, "deixa presentes" e dorme. Só. Pura e simplesmente.

Não lhe é exigido que proteja a casa, não lhe é exigido que cumpra à risca as regras mais tolas - só aquelas essenciais à co-habitação de três seres humanos e um "bicho" - não lhe é exigido que 'o' faça mesmo no jornal, se for na zona paralela aos periódicos, num raio de meio metro, já é considerado bem feito. É uma miúda de sorte.

Até nas viagens... comprou-se-lhe um reboque jeitoso, espaçoso, mas a menina reparou que não se dá bem com tratamento abaixo de realeza... pelo que já conquistou (com aquele tamanhão) o seu lugar ao sol dentro do carro, mais propriamente ao lado do banco onde geralmente vou eu sentada. Tudo bem, eu gosto da miúda, porque não deixá-la ir deitada a ocupar quase três lugares à minha beira? (Pergunto-me como seria se pagasse bilhete... era capaz de me rosnar se lhe dissesse que tinha de pagar três).

 

 

A viagem deste ano, penso eu, também vai ser ao género preferido de Sua Canileza. Quanto a mim, já me sentei à frente dela e propus-lhe seriamente que se deixasse ir num saco dos correios até ao ponto de chegada. Garanti-lhe que eu mesma punha o selo de "Correio Azul" com o aviso à frente "Se ladrar, não ligue"... Claro que na zona (da) traseira teria de escrever "Frágil... não cheire!".

Ela não foi nessa. O problema dela continua a ser o de ser minimamente inteligente para olhar para mim com ar palerma e ofegar exageradamente, com a língua de fora, sempre que lhe faço propostas destas.

Não sei bem... mas talvez seja por esse ar apalermado que eu gosto tanto dela.

sinto-me: uma dona babada! :D
Quarta-feira, 30 de Julho de 2008

Novidades ao estilo do verão

Pois bem, pessoal... acontece que, por motivos de saúde (ou melhor, por falta dela), me vi confinada ao sofá da sala e à presença constante do computador ao meu lado. À falta de melhor, e por ser Verão e tal, resolvi que seria uma ideia e pêras dar ao meu querido blog um novo visual (até rimou, mas é verdade). As cores, entre os outonais castanhos, os estivais rosas e o neutro branco, preparam, sem dúvida, o meu cantinho para as estações vindouras. 

 

 

 

E como se trata de uma mudança tão radical, convém avisar a população em geral - essencialmente os muuitos leitores que, certamente, visitam com a devida frequência o meu espacinho :) - de que não, a tasca não mudou de gerência e que já podem passear à vontade por aí, que as obras, finalmente, acabaram, depois da grande confusão que foi descobrir um papel de parede original e de que eu gostasse - e falo para quem, por azar, passou por aqui à hora da mudança (a uma delas, digamos, porque isto levou-me a tarde inteira :D) e se deparou com estranhas cores e mistelas de imagens e luzes.

 

Não se esqueçam, aproveitem as promoções da re-abertura aqui da tasca, como seja, "deixe dois comentários e eu respondo com três" ou "seja o visitante nº 9000 e farei de si o meu próximo grande post"!

 

sinto-me: divertida
Domingo, 27 de Julho de 2008

Como arranjar bons filmes ao fim de semana

Hum... será impressão minha ou, ultimamente, não há uma quantidade razoável de filmes janotas em que perder tardes inteiras de fim-de-semana? Francamente, quando eu era mais piquena, recordo-me vagamente que os filmes eram mais jeitosos - ou talvez eu diga isto por as películas que passam hoje em dia na TV serem exactamente as mesmas de há dez anos atrás, quando os vi pela primeiríssima vez. Pois, lá vem o problema recorrente da repetição constante.

 

                        (imagem: direitinha da net)

 

Mas, basicamente, parece sempre que é tudo do contra. Se, por alguma razão absurda, eu tivesse o fim-de-semana ocupado (essencialmente com algo relacionado com estudo intensivo para a faculdade), de certezinha que os filmes seriam, em todas as estações, sérios ou fantasticamente cómicos, interessantes e de suspense, estreias imperdíveis ou repetições apetecíveis.

Chego, às vezes, a ganhar uma vontade de pisar o chão com força, a fingir que vou sair de casa com pisadas audíveis, fechar a porta de casa com estrondo, para depois correr à TV para confirmar os filmes dessa altura... sou capaz de jurar que estaria algo de jeito no ar.

 

 

                             (imagem: direitinha da net)

 

Sim, provavelmente já muitos chegaram a esta conclusão e até já chegaram ao ponto de ver os filmes do fim-de-semana acompanhados dos livros de estudo, dos impressos do IRS ou do computador ligado no site da empresa, mesmo em tempo de férias... a ver se me lembro, na próxima semana, de pegar nos livros de Anatomia e pô-los bem esparramados à frente do ecrã e uns quantos de Bioestatística (para dar um ar sério à coisa) no meu colo. As pipocas, essas escondo-as, mas acho que vou precisar delas, que com estas técnicas, filmes dos bons estão garantidos, de certezinha.

sinto-me: cinéfila, mas pouco LOL
Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

Infantilidades à parte...

Tenho andado espantada comigo. Há dias, deu-me para pegar numa colecção de livros velhotes que tinha cá por casa, de chamativo título "Alice", que contam a história de uns poucos anos da vida de uma miúda de doze anos que, apesar de tudo, acaba por ter os problemas, pensamentos, sensações e desastres que uma miúda de dezoito. Digo isto porque eu própria tenho acontecimentos, sonhos, desgraças e ilusões semelhantes ao que a autora resolveu incrustrar nos poucos e fictícios anos de vida da Alice.

 

 

Às tantas, dei por mim a abanar a cabeça por estar a ler livros de tal modo infantis (descobri, mais tarde, com um revirar de olhos, que na contracapa dizia "a partir de 13 anos"), mas eram de tal modo viciantes, que li tudo de uma vez - são tão finos que se lê um, com facilidade, em poucas horas - e só parei no quinto da colecção porque não tinha mais. Apesar de corar de cada vez que me obrigava a lembrar que são mesmo livros para crianças, não pude deixar de dar valentes gargalhadas com as piadas jeitosas e sarcasmos bem acomodados lá por dentro. Tal como não deixei de chorar desalmadamente - e com toda a razão - no final do quinto livro.

 

 

Chorei porque foi tão afiada a crítica, a lembrança, até, dos problemas de muitos jovens de hoje em dia, que nem me apercebi bem do que estava a acontecer, até compreender que, num livro até então totalmente infantil e doce, tínhamos chegado à parte em que era necessária uma intervenção mais forte para dar a entender que isto acontece mesmo!  

 

Uma das personagens - uma rapariga carente, gordinha, triste, maltratada pela mãe e com a horrível culpa, no peito, de ter nascido como filha indesejada - resolveu pôr termo à vida, nas palavras da autora, sendo «colhida por um comboio» (detestei a expressão, mas nessa altura já eu estava num pranto infindável), por preferir a morte a uma vida que, afinal, nem vida era.

E agora pergunto eu... quantas crianças haverá por aí que escolhem, talvez diariamente, entre a vida e a morte tão levianamente como se decidissem entre café ou chocolate? E a verdade é que, no meio da falta de vida, amor e tudo o que necessitam, acaba por fazer sentido a existência do ter de escolher. E o que assusta, o que me choca e enfurece, é que não é delas, das pobres crianças, a culpa do terem de escolher. É de quem lhes inferniza a vida... é de quem lhes põe, no prato da balança que pende para o término da vida, todas as razões e mais algumas para não existirem. 

 

Pergunto-me o que pode uma pessoa como eu fazer contra algo assim. Provavelmente há muitos que dirão "cuida bem dos teus filhos para nunca terem de sofrer essa escolha ou a pior resolução dela" mas... e todos os outros piquenos que não têm quem os guie? Sinto-me triste, furiosa, enojada com o mundo em que vivemos... e mais irritada ainda com o pouco que posso fazer para melhorar situações como esta. 

sinto-me: triste e furiosa
Domingo, 20 de Julho de 2008

Pah, não entendo...

Ainda estou para entender o porquê de a vontade e o ímpeto que por vezes tenho de escrever freneticamente um grande de um post janota serem acompanhados de uma momentânea falta de tema, numa "branca" da memória que me deixa nervosa, a ponto de gritar com a cadela por respirar demasiado alto, ou ao ponto de visitar centenas de sites para encontrar sobre o que escrever. Portanto, o facto de estar aqui a teclar, neste momento, conta, apenas, como boa intenção, apesar de ser uma miúda de férias desde finais de Maio. É verdade. 

 

 

 

No entanto, experimentem estar de férias desde há dois meses, mais coisa menos coisa, enquanto o resto da família se esfalfa a trabalhar, e perceberão que pouco mais há a fazer, em casa, sem ser ver tv durante horas seguidas, ler, e pasmacear absurdamente por aí... é triste, mas é a vida, em férias - qualquer tipo de inveja que esteja a provocar com este texto é pura coincidência.

 

Sei de muita gente, gente ainda trabalhadora, que olharia para mim com cara de "andas a beber uns copos a mais" (com o que eu responderia com uma resmungona cara de "não é nada, se prestasses atenção vias que eu tinha razão") e que provavelmente seria capaz de enumerar, na coisa de poucos segundos, uma série de 32 coisas que  poderia fazer melhor se estivesse de férias.

 

E conheço ainda muito boa gente que olharia para mim de alto a baixo e diria "vai trabalhar, vadia, que a vida não se faz pensando na morte da bezerra". Eis uma verdade. Mas, dado os problemas que  me têm afectado a vida, ultimamente - e, garanto por todos os santinhos, que eles escolheram estas férias para se acumularem - não teria lógica eu entrar num emprego para aprender a executá-lo no início das férias, para parar a meio e regressar, depois, por umas semanas, até ir de férias com a famelga. A vida é lixada. Ao menos, enquanto trabalhamos, temos a certezinha do que fazer dia-a-dia, sem ser enfardar aperitivos à frente do televisor.

 

 

 

Concluindo, considero ser este o meu contributo à sociedade: ter encontrado aos trabalhadores a razão para ainda estarem a trabalhar e não de papo para o ar na cama, às 11 da manhã. 

 

 

Fui mázinha, não fui?!...  eheh

sinto-me: mázinha LOOL
Sábado, 12 de Julho de 2008

... e já que estou com a mão na massa...

... irei dedicar-me um pouco mais ao tema de cinema, desta vez para falar de "Wanted". (contém spoilers)

 

 

Achei-o bastante promissor, no trailer, diferente, chamativo.

No entanto, no fim de contas, pareceu-me ser apenas uma história violenta e confusa, que deu voltas e voltas, com situações (demasiado) impossíveis - afinal, que filme haverá por aí sem situações impossíveis?! - que, ainda assim, não conseguiam, por nada, tirar a vida às personagens principais, apesar de lhes fazer uns arranhões "cuidados" que só favoreciam o charme "durão" de cada personagem. 

 

Gostei da participação de actores como James Mcavoy, do muito bom trabalho de Angelina Jolie, da característica e forte presença de Morgan Freeman e isso foi o que valeu ao filme a minha pontuação pessoal de 6/10.

 

 

O próximo que estou curiosa para ver é Cavaleiro das Trevas... a ver se este não desilude!

 

sinto-me: cinéfila
Segunda-feira, 7 de Julho de 2008

Olhó que a saudade trouxe de volta...

Já tinha saudades de falar de um assunto muito querido e recorrente aqui no blog: cinema!

Estava curiosa e até ansiosa de pôr o olho em "Hancock". Perguntava-me se iria sair do cinema com aquele sorrisinho cinéfilo natural de quem achou a coisa muito boa ou se iria ser (mais) uma chachada das muitas que parecem aparecer nas salas de duas em duas semanas.

 

 

Bem, desilusão não foi! Gostei especialmente da escolha de (janota do) Will Smith, que, na minha opinião, protagonizou um filme com a dose certa de acção, piada e surpresas à mistura. Saí do cinema com a satisfaçãozinha-do-filme-que-valeu-a-pena e ainda com a satisfação acrescida de que a famelga parecia não ter desgostado! O que é bom, numa famelga de gostos complicados no que toca à 7ª arte.

 

Conclusão das conlcusões, dou-lhe um 7,5/10. É um daqueles filmes janotas, de história e actores janotas e com um final catita que, por momentos, me fez semi-cerrar os olhos e pensar "calma lá, isto não vai acabar mesmo assim, pois não?!". Aprovado! 

 

sinto-me: cinéfila!
Terça-feira, 1 de Julho de 2008

Profissão: Santo Escritor de Vida

Porque será que a vida nunca corre como a delineamos? Ok, ok... não estou à espera que tudo o que sonho se torne realidade, nem tenho expectativas eleavadas por aí além de que tudo o que desejo venha a ser possível... Mas também não esperava que tanta coisa "menos boa" me caísse assim nos ombros, de repente. E digo "menos boa" pelo medo de poder, eventualmente, algo pior chegar - batam na madeira! - e nesse caso, talvez eu chegasse a utilizar o termo "coisa má".

Chega a ser cruel da parte do destino encavalitar, com tanta falta de sensibilidade e tacto, tanta coisa uma a seguir à outra... se me esforçar sou quase capaz de o ouvir gargalhar na minha cara confusa.

 

Não, não sou de acreditar que a nossa vida está toda escrita como vai acontecer, de trás para a frente... sou, antes, de acreditar que cada pedaço da nossa vida está escrito e pode ser re-escrito conforme as escolhas que fizermos, os passos que tomarmos e os caminhos que palmilharmos. 

Pois bem, os tempos recentes provam que o santo encarregue de escrever a minha história era provido de um sarcástico sentido de humor. Talvez me tenha calhado o Shakespeare dos santos, no que toca ao dramatismo da entrada em cena de cada problema, mas, pessoalmente, não estou a gostar muito do Acto actual. Por favor, que se resolvam os tais problemas, que se feche o pano, façamos um pequeno intervalo, e re-inicie-se a vidinha boa e despreocupada... num género de mais Comédia romântica e menos Drama. Obrigada.

 

Uma pequena nota ao tal santo que se esmerou na imaginativa história da minha vida: estou profundamente agradecida por, a rasgar a chuva e as negras nuvens, estarem os raios de sol, mais luminosos e quentes que nunca - sejam na forma da minha família ou dos amigos.

Quanto aos problemas que me colocou: pretendo superá-los a todos heroicamente e demonstrar que sou digna do papel de protagonista nesta história. Pois, até ver, quem ri por último é o que ri melhor. 

sinto-me: com esperança!

§ mAis sObRe Mim

§ PeSquIsAr um PaLaVrEaDo

 

§ Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

§ PalAvReAdOs

§ Tá na horinha de dar umas...

§ Xii, tou feita!

§ O achado que inspirou um ...

§ Pá, não há quem entenda.....

§ Pá, já não há quem entend...

§ Curiosidades turísticas e...

§ Problema resolvido...?!

§ Instintos Matadores de Co...

§ Ainda na onda de quem est...

§ Pró que me dá, às vezes.....

§ Língua de "Perguntadora"

§ A moda e a beleza e o amo...

§ Verão com "cheirinho"... ...

§ Despedida das férias de V...

§ No que pensamos quando te...

§ Novidades ao estilo do ve...

§ Como arranjar bons filmes...

§ Infantilidades à parte...

§ Pah, não entendo...

§ ... e já que estou com a ...

§ Olhó que a saudade trouxe...

§ Profissão: Santo Escritor...

§ Sentir os sentimentos por...

§ O achado que inspirou um ...

§ Turismo do mais curioso

§ Telepatia Virtual

§ A sorte que não calha a t...

§ Tentativas (quase) frustr...

§ Um olhar para o futuro...

§ Fanatismos

§ Enquanto o trabalho ocupa...

§ Quem disse que o Anjo da ...

§ Outra história, e coisa e...

§ No meio da poeira do temp...

§ Palavreados Aleatórios V ...

§ Adrenalina... muita adren...

§ Palavreados aleatórios IV...

§ Outras ondas!... IV

§ Sintam-se a dançar... eu ...

§ Isto é que é ler as entre...

§ Um pouco de jazz "sentime...

§ Uma caixinha dos tesouros...

§ E as coisas simples (ou n...

§ Palavreados aleatórios II...

§ Um calmante, ou dois...

§ Como nos tornarmos uns bl...

§ Vamos lá esclarecer uma c...

§ Quando [não] se ama algué...

§ Quatro simples dicas...

§ Não resisti...

§ OuTrOs PaLaVrEaDoS

§ Outubro 2008

§ Setembro 2008

§ Agosto 2008

§ Julho 2008

§ Junho 2008

§ Maio 2008

§ Abril 2008

§ Março 2008

§ Fevereiro 2008

§ Janeiro 2008

§ Dezembro 2007

§ Novembro 2007

§ Outubro 2007

§ Setembro 2007

§ Agosto 2007

§ Julho 2007

§ Junho 2007

§ Maio 2007

§ Março 2007

§ Fevereiro 2007

§ Janeiro 2007

§ Dezembro 2006

§ Novembro 2006

§ PaLaVriNhAs

§ todas as tags

§ CaiXinHa dos TeSouRos

§ Sentir os sentimentos por...

§ Uma pitada de poesia...

§ A poesia do velho

§ Uma caixinha dos tesouros...

§ Palavreados aleatórios II...

§ Conclusão inegável

§ Palavreados aleatórios - ...

§ Palavreados aleatórios II...

§ AdMiReM OuTraS ObRaS

blogs SAPO

§ subscrever feeds